Bioética e ortotanásia:

um estudo sobre morte e longevidade

Palavras-chave: Bioética. Ortotanásia. Principialismo. Autonomia.

Resumo

Buscou-se evidenciar quais são os possíveis parâmetros para que o “viver mais” não seja uma sobrevivência martirizante, tendo como marco filosófico o Principialismo, de Beauchamp e Childress e como objetivos específicos a análise dos institutos da bioética e do biodireito, das formas de disposição da vida e do uso adequado dos métodos terapêuticos. Concluiu-se pela viabilidade da ortotanásia na medida em que esta busca a humanização das práticas clínicas, dada a centralidade da pessoa humana e da sua dignidade, harmonizando o Direito e a Medicina. Para desenvolvimento do tema proposto, quanto aos procedimentos técnicos metodológicos, utilizou-se de base bibliográfica explorando-se material já publicado, como livros, jurisprudências e artigos. Quanto à abordagem do problema, trata-se de uma pesquisa qualitativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARBOZA, Heloisa Helena et al (Org.). Vida, morte e dignidade humana. Rio de Janeiro: G.z., 2010.

BECKER, Ernest. A negação da morte. São Paulo: Círculo do Livro, 19--? 337 p. Tradução de: Otávio Alves Filho.

BEAUCHAMP, Tom L.; CHILDRESS, James F. Princípios de ética biomédica. São Paulo: Loyola, 2002. Tradução de: Luciana Pudenzi.

BORBA, Marina de Neiva; HOSSNE, William Saad. Bioética e Direito: biodireito? Implicações epistemológicas da Bioética no Direito. Bioethikos: Centro Universitário São Camilo, São Paulo, p.285-291, 22 abr. 2010.

BRASIL. Resolução CFM nº 1.805/2006: ortotanásia. Disponível em: <https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/resolucoes/BR/2006/1805>. Acesso em: 16 out. 2017.

BRASIL. Resolução CFM nº 1.931/2009: Código de Ética Médico. Disponível em: < https://portal.cfm.org.br/index.php?option=com_content&view=category&id=9&Itemid=122>. Acesso em: 16 out. 2017.

BRASIL. Ação Civil Pública nº 2007.34.00.014809-3. Disponível em: < https://processual.trf1.jus.br/consultaProcessual/processo.php?secao=DF&proc=200734000148093>. Acesso em: 19 nov. 2018.

BRASIL. Decreto-lei nº 2.848/1940: Código Penal. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del2848compilado.htm>. Acesso em: 19 nov. 2018.

DINIZ, Maria Helena. O estado atual do biodireito. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

DWORKIN, Ronald. Domínio da vida: aborto, eutanásia e liberdades individuais. 2. ed. São Paulo: Wmfmartinsfontes, 2016.

BARROSO, Luís Roberto. Curso de Direito constitucional contemporâneo: os conceitos fundamentais e a construção do novo modelo. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2017.

BARROSO, Luís Roberto; MARTEL, Letícia de Campos Velho. A morte como ela é: dignidade e autonomia individual no final da vida In GOZZO, Débora; LIGIERA, Wilson Ricardo et al (Org.). Bioética e direitos fundamentais. São Paulo: Saraiva, 2014.

NAMBA, Edson Tetsuzo. Manual de bioética e biodireito. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

PESSINI, Leo; BARCHIFONTAINE, Christian de P.de. Problemas atuais de bioética. 11. ed. São Paulo: Loyola, 2016.

MALUF. Adriana Caldas do Rego Freitas Dabus. Curso de bioética e biodireito. 3. ed. São Paulo: Gen/atlas, 2015.

SÁ, Maria de Fátima Freire de; MOUREIRA, Diogo Luna. Autonomia para morrer: eutanásia, suicídio assistido e diretivas antecipadas de vontade. Belo Horizonte: del Rey, 2012.

SARMENTO, Daniel. Dignidade da pessoa humana: conteúdo, trajetórias e metodologia. 2. ed. Belo Horizonte: Fórum, 2016.

SILVA, José Maria da; SILVEIRA, Emerson Sena da. Apresentação de trabalhos acadêmicos: normas e técnicas. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

SGRECCIA, Elio. Manual de bioética 1: fundamentos e ética biomédica. 4. ed. São Paulo: Loyola, 2017. Tradução de: Orlando Soares Moreira.

SGRECCIA, Elio. Manual de bioética II: aspectos médico-sociais. 3. ed. São Paulo: Loyola, 2014. Tradução de: Orlando Soares Moreira.

TUBBS, Jr.; WASHINGTON, James B. A Handbook of Bioethics Terms. Washington: Georgetown University Press, 2009.

VILLAS-BÔAS, Maria Elisa. Bioética e direito: aspectos da interface. Desafios e perspectivas de um chamado biodireito. Bioethikos: Centro Universitário São Camilo, São Paulo, p.89-100, 09 dez. 2012.

Publicado
2018-12-21
Como Citar
Nascimento, I. M. A. do. (2018). Bioética e ortotanásia:. Revista Vianna Sapiens, 9(2), 17. https://doi.org/10.31994/rvs.v9i2.435

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##