COMPATIBILIDADE ENTRE AS ÂNCORAS DE CARREIRA DOS SERVIDORES DAS ATIVIDADES-FIM DO INCA E OS VALORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GERENCIAL

Palavras-chave: Âncoras de carreira; Valores; Gestão de pessoas; Gestão Pública; Regressão múltipla.

Resumo

Este estudo analisou se os valores gerenciais incentivados a partir da Reforma Gerencial do Estado relativos à gestão de pessoas são compatíveis com os valores dos servidores das atividades-fim do Instituto Nacional de Câncer - INCA. Para analisar valores e orientações dos servidores, utilizaram-se as âncoras de carreiras de Schein. Na pesquisa quali-quantitativa aplicaram-se dois questionários: um para mapeamento das âncoras de 224 servidores e outro para especialistas em gestão de pessoas no setor público, para verificar o vínculo entre orientações da administração gerencial e âncoras. Identificou-se o ranking dos valores e das âncoras dos servidores; testes de hipóteses apontaram que os valores competitividade, inovação, autonomia e meritocracia são compatíveis com as âncoras dos servidores; regressões múltiplas apontaram que o gênero impacta a compatibilidade entre âncoras e valores gerenciais. Identificar valores dos servidores apresenta-se como subsídio para políticas de gestão efetivas; o método original pode ser replicado a outras organizações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AVELINO, K.W.R.S.; SALLES, D.M.R.; COSTA, I.S.A. Collective competencies and strategic people management: a study carried out in federal public organizations. Revista de Administração Mackenzie, v.18, n.5, p.202–228, 2017.
ABRUCIO, F.L. Trajetória recente da gestão pública brasileira: um balanço crítico e a renovação da agenda de reformas. Rev. Adm. Pública. 41(n.spe), pp.67-86, 2007.
ABDALLA, R.A.C. As âncoras de carreira como instrumento de análise das decisões profissionais. Dissertação de Mestrado em Administração de Empresas, Escola de Administração de Empresas/Fundação Getúlio Vargas. São Paulo, 2003.
BARRETT, R. Libertando a alma da empresa: como transformar a organização numa entidade viva. São Paulo: Cultrix, 2000.
BERGUE, S.T. Gestão estratégica de pessoas no setor público. São Paulo: Atlas, 2014.
BRASIL. Presidência da República. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Brasília: 1995.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.045 de 10 de dezembro de 2012.
BRASIL. Presidência da República. Emenda Constitucional nª 19 de 04/06/1998.
BRESSER-PEREIRA, L. C.; SPINK, P. K. Reforma do estado e administração pública gerencial. 4. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006.
COSTA, F. Reforma do Estado e contexto brasileiro: crítica do paradigma gerencialista. Rio de Janeiro: FGV, 2010.
COSTA, I. S. A.; SALLES, D. M. R.; FONTES FILHO, J. R. Influência das configurações organizacionais sobre valores no trabalho e preferências por recompensa. RAP, v.44, n.6, p.1429-52, 2010.
DOWNS, A. Inside bureaucracy. Boston: Little, Brown and Company, 1967.
DU GAY, P.; SALAMAN, G.; REES, B. The conduct of management and the management of conduct: contemporary managerial discourse and the constitution of the ‘competent’ manager. Journal of Management Studies, v. 33, n. 3, 1996.
FARO, E. S. C. Âncoras de carreira e o modelo de administração gerencial: um estudo de caso do Tribunal de Contas da União. Dissertação (Mestrado em Administração) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007.
INCA - INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA. Relatório de atividades: 2013-2014. Rio de Janeiro: INCA, 2015. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2017.
KLIR, G. G.; YUAN, B. Fuzzy Sets and Fuzzy Logic: Theory and Applications. Upper Saddle River: Prentice Hall; 1995.
MARCONI, N. Políticas integradas de recursos humanos para o setor público. In: LEVY, E.; DRAGO, P.A. (Org.). Gestão pública no Brasil contemporâneo. São Paulo: Fundap, 2005.
McGREGOR, D. O lado humano da empresa. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
MORGAN, G. Imagens da organização. São Paulo: Atlas, 2002.
OLIVEIRA, C. G. O servidor público brasileiro: uma tipologia da burocracia. Revista do Serviço Público, v.58, n. 3, p. 269-302, 2007.
REZENDE, F. C. Tendências da gestão pública nos países da OCDE. In: LEVY, E.; DRAGO, P.A. (org.). Gestão pública no Brasil contemporâneo. São Paulo: Fundap/Casa Civil, 2005.
RIBEIRO, C. V. S; MANCEBO. D. O servidor público no mundo do trabalho do século XXI. Psicologia: Ciência e Profissão, v.33, n.1, p.192-207, 2013.
ROUSSEAU, D. Psychological Contracts in Organizations: Understanding Written and Unwritten Agreements. Thousand Oaks: Sage, 1995.
SCHEIN, E. H. Career anchors and career paths: a panel study of management school graduates. 1974. Working paper (Sloan School of Management); 707-774. Alfred P. Sloan School of Management, Massachusetts Institute of Technology. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2016.
SCHEIN, E. H. Identidade profissional: como ajustar suas inclinações a suas opções de trabalho. São Paulo: Nobel, 1996.
SENNETT, R. A cultura do novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2006.
VAN BUREN III, H. J. Boundaryless careers and employability obligations. Business
Ethics Quarterly, v. 13, n. 2, p. 131-149, Apr./Jun. 2003.
VAN DAM, K. Antecedents and consequences of employability orientation. European Journal of Work and Organizational Psychology, v. 13, n. 1, p. 29-51, 2004.
WITTMER, D. Serving the people or serving for pay: reward preferences among government, hybrid sector, and business managers. Public Productivity & Management Review, v.14, n.4, p.369-374, 1991.
ZIMMERMANN, H. Fuzzy set theory and its applications. London: Kluwer,1996.
Publicado
2019-07-08
Como Citar
Souza, F., Costa, I., & Bouzada, M. A. (2019). COMPATIBILIDADE ENTRE AS ÂNCORAS DE CARREIRA DOS SERVIDORES DAS ATIVIDADES-FIM DO INCA E OS VALORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GERENCIAL. Revista Vianna Sapiens, 10(1), 32. https://doi.org/10.31994/rvs.v10i1.517