MEIO AMBIENTE CIBERNÉTICO E LICENCIAMENTO AMBIENTAL:

A PARTICIPAÇÃO POPULAR NO ESTADO SOCIOAMBIENTAL DE DIREITO

Palavras-chave: Licenciamento ambiental; Cidadania ambiental; Meio ambiente; Meio ambiente cibernético; Participação popular

Resumo

Diante o cenário hodierno, com a presença da denominada “sociedade de informação”, na qual o ciberespaço fornece substrato material para a integração social, proporcionando a troca veloz de informações entre indivíduos e instituições, tem-se a possibilidade de destinar tais tecnologias em benefício à tutela ambiental. Dentro dessa premissa, inquire-se se o meio ambiente cibernético, associado ao procedimento de licenciamento ambiental, poderia ser compreendido como instrumento hábil à participação popular. Nesse prisma, pretende-se analisar o meio ambiente cibernético como importante instrumento na divulgação de informações concernentes ao licenciamento ambiental, viabilizando a concretude da cidadania ambiental. Para o desenvolvimento da pesquisa, adotou-se o método teórico-jurídico, com raciocínio dedutivo, técnica de pesquisa voltada para a leitura exploratória e, ao final, seletiva, associada à análise documental.

Referências

BERNA, Vilmar. Usar a internet para dar transparência ao licenciamento ambiental e aos tacs. Portal do Meio Ambiente, 25 de julho de 2010. Disponível em: . Acesso em: 24 mar. 2018.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil (1988).Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico, 1988.

________. Lei n. 6.938, de 31 de ago. 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Diário Oficial, Brasília, 1 set. 1981. Disponível em:
. Acesso em 05 mar. 2018.

________. Lei n. 10.650, de 16 de abril de 2003. Dispõe sobre o acesso público aos dados e informações existentes nos órgãos e entidades integrantes do Sisnama. Diário Oficial, Brasília, 17 abr 2003. Disponível em:
. Acesso em 05 mar. 2018.

________. Ministério do Meio Ambiente. Disponível em: . Acesso em: 03mar. 2018.

CAMPOS, Allysson Pereira. A participação popular como instrumento de legitimidade do procedimento de licenciamento ambiental. 2013. Dissertação de mestrado (Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentável) - Escola Superior Dom Helder Câmara, Belo Horizonte.

CARVALHO, Edson Ferreira de. Meio ambiente e direitos humanos. 2º ed. Curitiba: Juruá, 2011.
CARVALHO, Vânia Ágda de Oliveira. O Princípio da Participação Popular: a materialização da cidadania ambiental no Estado Democrático de Direito. In.: Fausto Santos de Morais; Liton Lanes Pilau Sobrinho; Mamede Said Maia Filho(Org.). XXVI Encontro Nacional do CONPEDI – Brasília/DF. Constituição e democracia I.Florianópolis: CONPEDI, 2017, p. 275-293.
CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO - ECO 92. Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Disponível em: . Acesso em: 25mar. 2018.

COSTA, Beatriz Souza. O gerenciamento econômico do minério de ferro como bem ambiental no direito constitucional brasileiro. São Paulo: Fiuza, 2009.

COSTA, Beatriz Souza; SAMPAIO, José Adércio Leite. Acesso à informação digital no Brasil em casos de acidentes: o exemplo da tragédia de Mariana. Veredas do direito, Belo Horizonte, v.14. n.30. p.77-98. set.-dez. de 2017. Disponível em:
. Acesso em: 9 mar. 2018.

FIORILLO, Celso Antônio Pacheco. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. 12. ed. rev. e atual. São Paulo: Editora Saraiva, 2011.

GARCIA, Daiene Kelly. O direito a um meio ambiente cibernético sadio: a informática e a telemática sob a ótica constitucional. Revista Eletrônica da Faculdade de Direito de Franca, [S.l.], v. 4, n. 1, maio 2011. Disponível em: . Acesso em: 08 mar. 2018.

GUIMARÃES JÚNIOR, Mário J. L. De pés descalços no ciberespaço: tecnologia e cultura no cotidiano de um grupo social on-line. Revista Horizontes. Porto Alegre, ano 10, nº. 21. p. 123-154, jan.-jun. 2004. p. 133.Disponível em: . Acesso em: 2 mar. 2018.

JACOBI, Pedro. Educação Ambiental, cidadania e Sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, n. 118, p.189-205, mar. 2003.Disponível em: . Acesso em: 18 mar. 2018.

KRELL, Andreas Joachim. Comentário ao artigo 225, caput. In: CANOTILHO, J. J. Gomes; MENDES, Gilmar F.; SARLET, Ingo W.; STRECK, Lenio L. REVISTA DO CEDS (Revista Científica do Centro de Estudos em Desenvolvimento Sustentável da UNDB) n. 5,v.1,ago.-dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 02 mar. 2018.

MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito ambiental brasileiro. 24. ed. rev., ampl. e atual. São Paulo: Malheiros, 2016.

MILARÉ, Édis. Direito do ambiente. 8.ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2013.

NIEBUHR, Pedro de Menezes. Processo administrativo ambiental. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2014.

SAMPAIO, José Adércio Leite; WOLD, Chris; NARDY, Afrânio. Princípio de Direito Ambiental: na dimensão internacional e comparada. Belo Horizonte: Del Rey, 2003.

SEIFFERT, Mari Elizabete Bernardini. Gestão ambiental: instrumentos, esferas de ação e educação ambiental. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2014.

TEIXEIRA, Angélica Cristiny Ezequiel e Avelar. A observância dos princípios da informação e da participação no contexto de acidentes ambientais: estudo de caso. 2016. Dissertação (mestrado) - Escola Superior Dom Hélder Câmara, Belo Horizonte/MG. Disponível em: . Acesso em: 5 mar. 2018.

VERDAN, Tauã Lima. Princípio da legalidade: Corolário do Direito Penal. Jurid Publicações Eletrônicas, Bauru, 22 jun. 2009. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2018.
Publicado
2018-08-10
Como Citar
Carvalho, V. Ágda, Vellozo, M. J., & Carvalho, M. (2018). MEIO AMBIENTE CIBERNÉTICO E LICENCIAMENTO AMBIENTAL:. Revista Vianna Sapiens, 9(1), 23. https://doi.org/10.31994/rvs.v9i1.367