AUTONOMIA E CIDADANIA SOBERANAS PARA VENCER A COLONIALIDADE E A CORRUPÇÃO

Palavras-chave: Colônia, colonialidade, corrupção, cidadania

Resumo

A colonização é um véu que cobre as colônias por décadas ou séculos. O sentimento de ser colônia e ver-se bem nesta situação, de colono, pode permanecer ou ser expurgado das consciências dos colonos após a independência. Noutros casos, o sentimento de ser colônia permanece após décadas ou séculos, que tratam seus destinos sob uma colonialidade que não conseguem perceber ou refutar. O sentimento de colonialidade é sagrado para todos os que se acomodam bem na situação inferior do explorado-explorador. A decolonialidade é como uma profanação do sagrado altar de violência, massacre, usurpação, preconceitos variados, exploração secular, tudo em nome da democracia, direitos individuais e direitos humanos, que são a todo tempo dito que alcançamos com processos eleitorais. Ao contrário disso, um povo só deixa esta condição de colônia, depois da independência formal, mediante auto-reconhecimento e luta pela independência efetiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEM, Giorgio. Profanações. Tradução Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2007.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. Posfácio Celso Lafer. 10.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

AZEVEDO, Antônio Junqueira de. Crítica ao personalismo ético da constituição da república e do código civil: em favor de uma ética biocêntrica. In: AZEVEDO, Antônio Junqueira de (coord.). Princípios do novo código civil brasileiro e outros temas. SP: Quartier Latin do Brasil, 2008

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito constitucional e teoria da constituição. Coimbra: Almedina, 1998.

COMITINI, Carlos. África arde: lutas dos povos africanos pela liberdade. Rio de Janeiro: Codecri, 1980.

COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2004.

CORTEZ, Hernan. A conquista do México. Tradução de Jurandir Soares dos Santos. 2. Ed. Série: Os conquistadores. Porto Alegre: L&PM, 1986.

DEMANT, Peter. O mundo muçulmano. São Paulo: Contexto, 2008.

DUSSEL, Enrique. Para uma ética da libertação latino-americana. Coleção reflexão latino-americana. Tradução de Luiz João Gaio. Piracicaba: Unimep, 1979.

______. 1492: o encobrimento do outro: a origem do mito da modernidade: conferências de Frankfurt. Tradução Jaime A. Clasen. Petrópolis: RJ, Vozes, 1993.

______. Meditações anticartesianas sobre a origem do antidiscurso filosófico da modernidade. In SANTOS, Boaventura de S.; MENEZES, Maria P. (orgs.). Epistemologias do Sul. SP: Cortez, 2010.

FERRAZ JR, Tércio Sampaio. Introdução ao estudo do direito: técnica, decisão, dominação. São Paulo: Atlas, 2003.

FRANCISCO, Rachel Herdy de Barros. Diálogo intercultural dos direitos humanos. Monografia vencedora do I concurso de monografia em direitos humanos do núcleo de direitos humanos do departamento de direito da pontifícia universidade católica do rio de janeiro. 2003. Disponível em:. Acesso em: 01 jun. 2013.

GALEANO, Eduardo. As veias abertas da América Latina. Tradução de Galeno de Freitas. 23ª ed. Coleção estudos latino-americanos. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1986.

GARAUDY, Roger. O ocidente é um acidente: por um diálogo das civilizações. Tradução de Virgínia da Mata-Machado. Rio de Janeiro: Salamandra, 1978.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. In SANTOS, Boaventura de Sousa; MENEZES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do Sul. SP: Cortez, 2010.

HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos: o breve século XX, 1914-1991. Trad. Marcos Santarrita. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

IBGE. PIB brasileiro em 2016. Disponível em:. Acesso em 27 fev. 2017.

KI-ZERBO, Joseph (edit.). História geral da África, v.I: Metodologia e préhistória da África. 2.ed. Brasília: UNESCO, 2010.

MAGALHÃES, José Luiz Quadros de; REIS, Carolina dos. A utilização dos direitos humanos como dominação. Revista interdisciplinar de direito da Faculdade de Direito de Valença. Anual, ano 1, n.1. Juiz de Fora: Associada, 2010.

______. O estado plurinacional e o direito internacional moderno. Coleção para entender. Coord. BRANT, Leonardo N. C. Curitiba: Juruá, 2012.

MARTINS-COSTA, Judith. Pessoa, personalidade, dignidade: (ensaio de uma qualificação). São Paulo: Congregação da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, 2003.

Orlando Villas Boas denuncia ocupação da amazônia. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2017.

PACHUKANIS. A teoria geral do direito e o marxismo. Trad. Soveral Martins. Coimbra: Centelha, 1977.

PIMENTA, Rafael Sales. Diálogo da diferença. Dissertação de mestrado 2013. Disponível em: . Acesso em: 01 mar. 2017.

PIOVESAN, Flávia. Direitos humanos e o direito constitucional internacional. 13.ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma concepção multicultural dos direitos humanos. Rio de Janeiro: Contexto Internacional. v. 23, n. 1, janeiro/junho 2001.

______. Para além do Pensamento Abissal: Das linhas globais a uma ecologia de saberes. Revista Crítica de Ciências Sociais. Outubro 2007.

______. Um ocidente não ocidentalista? A filosofia à venda, a douta ignorância e a aposta de Pascal. In: SANTOS, Boaventura de S; MENEZES, Maria P. (orgs.). Epistemologias do Sul. SP: Cortez, 2010.

SCHABAS, William. Genocídio. In O tribunal penal internacional: comentários ao estatuto de Roma. Orgs. STEINER, Sylvia H., CALDEIRA BRANT, Leonardo N. Belo Horizonte: Del Rey, 2016.

STANCIOLI, Brunello. Renúncia ao exercício de direitos da personalidade: ou como alguém se torna o que quiser. Belo Horizonte: Del Rey, 2010.
Publicado
2018-12-21
Como Citar
Pimenta, R., & Pimenta, G. (2018). AUTONOMIA E CIDADANIA SOBERANAS PARA VENCER A COLONIALIDADE E A CORRUPÇÃO. Revista Vianna Sapiens, 9(2), 25. https://doi.org/10.31994/rvs.v9i2.449