Inovação, desenvolvimento sustentável e responsabilidade social:

um estudo de caso sobre reciclagem de resíduos de madeira

  • Eliane Alves da Silva UNIR - Universidade Federal de Rondônia
  • Paulo César Ribeiro Martins Faculdade Anhanguera Educacional Passo Fundo-RS
  • Daniel Menéndez Llerena UnB - Universidade de Brasília
  • Rosana Claúdia Smék Batista Universidade Federal de Rondônia
  • Fernando Húngaro Lemes Gonçalves Universidade Federal de Rondônia
Palavras-chave: Ecossistema. Reciclagem. Resíduos de Madeira. Responsabilidade Social

Resumo

Por meio de um estudo de caso no CETEC, no interior do Paraná, verificou-se que restos de madeira são reaproveitados em uma fabricação de briquetes pela Central de Tratamento de Resíduos Industriais. Deste ponto de partida buscou-se descrever a importância social e econômica de reciclar os resíduos de madeira, bem como sua comercialização. Foram entrevistados representantes da OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público), da usina de reciclagem e do SENAI. Foi importante observar que toda essa sinergia resultou da parceria existente entre as indústrias, governo local e organizações do Terceiro Setor. Administrar interesses para o bem comum é uma das características de um ecossistema de negócios que surgiu na região com resultados profícuos. Chegando-se a um cenário onde se pode trabalhar com outros produtos além do briquete, os quais aumentam a empregabilidade e servem como vantagem competitiva para as empresas locais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. ADNER, R.; KAPOOR, R. Value creation in innovation ecosystems: how the structure of technological interdependence affects firm performance in new technology generations. Strategic Management Journal, New Jersey, v. 31 n. 3, dec., p. 306-333, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2018.

2. BENGTSSON, M.; KOCK, S. “Coopetition” in Business Networks: to Cooperate and Compete Simultaneously. Industrial Marketing Management, New York, v. 29, n. 5, p. 411-426, 2000. Disponível em: 4198983ab70aa3.pdf>. Acesso em: 10 fev. 2018.

3. BENITES, L. L. L.; PÓLO, E. F. A sustentabilidade como ferramenta estratégica empresarial: governança corporativa e aplicação do Triple Bottom Line na Masisa. Revista de Administração da UFSM, Santa Maria, v. 6, p. 827-841, ed. esp. 2013. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2017.

4. BELLEN, H. M. Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

5. CALLADO, A. L. C. Modelo de mensuração de sustentabilidade empresarial: uma aplicação em vinícolas localizadas na Serra Gaúcha. 2010. 216f. Tese (Doutorado em Agronegócios) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010. Disponível em: . Acesso em: 30 dez. 2017.

6. COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

7. DIAS, R. Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. São Paulo: Atlas, 2009.

8. DYLLICK, T.; HOCKERTS, K. Beyond the business case for corporate sustainability. Business Strategy and the Environment, New Jerssey, v. 11, n. 2, p. 130-141, mar-apr. 2002. Disponível em: . Acesso em: 22 dez. 2017.

9. ELKINGTON, J. Cannibals with forks: the triple bottom line of 21st century business. Oxford: New Society Publishers, 1997.

10. ELKINGTON, J. Enter the triple bottom line. In: HENRIQUES, A.; RICHARDSON. J. (Eds.). The triple bottom line, does it all add up? Assessing the sustainability of business and CSR. London: Earthscan, 2004.

11. GOMES, L. A. V. Corrida maluca em territórios desconhecidos: como empreendedores gerenciam incertezas individuais e coletivas em ecossistemas empreendedores. 2013. 264f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2018.

12. GUMMESSON, E. Extending the service-dominant logic: from customer centricity to balanced centricity, Academy of Marketing Science Journal, New York, v. 36, n. 1, p. 15, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2018.

13. HART, S. L.; MILSTEIN, M. B. Creating sustainable value. Academy of Management Executive, New York, v. 17, n. 2, p. 56-69, may. 2003. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2017.

14. IANSITI, M.; LEVIEN, R. The keystone advantage. Boston: Harvard Business School Press, 2004.

15. IOSCHPE, E.B. (Org.). 3º setor: desenvolvimento social sustentado. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2015.

16. JAMALI, D. Insights into the triple bottom line integration from a learning organization perspective. Business Process Management Journal, New Jerssey, v. 12, n. 6, p. 809-821, 2006. Disponível em: . Acesso em: 30 dez. 2017.

17. KRAJNC, D.; GLAVIC, P. A model for integrated assessment of sustainable development. Resources, Conservation and Recycling, Massachusetts, v. 43, n. 2, p. 189-208, 2005. Disponível em: . Acesso em: 30 dez. 2017.

18. LORA, E. Prevenção e controle da poluição no setor energético industrial e transporte. Brasília: ANEEL, 2000.

19. MARREWIJK, M. V. Concepts and definitions of CSR and corporate sustainability: between agency and communion. Journal of Business Ethics, Ontario, v. 44, p. 95 105, 2003. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2017.

20. MEGIDO, J. L. T.; CORIOLANO, X. Marketing e agribusiness. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

21. MOORE, J. F. Predator and prey: The new ecology of competition. Harvard Business Review, Cambridge, v. 71, n. 3, p. 75-83, 1993. Disponível em: . Acesso em: 13 jan. 2018.

22. MOORE, J.F. Business ecosystems and the view from the firm, Antitrust Bulletin, Cambridge, v. 51, n. 1, p. 31-75, spring. 2006. Disponível em: . Acesso em: 13 jan. 2018.

23. MUNCK, L.; BORIM-DE-SOUZA, R. B. Gestão por competências e sustentabilidade empresarial: em busca de um quadro de análise. Gestão e Sociedade, Belo Horizonte, v. 3, n. 6, p. 254-287, 2009. Disponível em: /article/view/667>. Acesso em: 19 dez. 2017.

24. NORMAN, W.; MACDONALD, C. Getting to the bottom of “Triple Bottom Line”. Business Ethics Quarterly, Virginia, v.14, n. 2, p. 243-262, 2003. Disponível em: . Acesso em: 19 dez. 2017.

25. PELLEGATTI M.; TORRES M. O Conceito de Ecossistemas de Negócios Conscientes. In: MOTOMURA, O. Empreendedorismo consciente na Amazônia. São Paulo: TV1 Editorial, 2007. p. 23-33.

26. SAVITZ, A. W.; WEBER, K. A empresa sustentável: o verdadeiro sucesso é lucro com responsabilidade social e ambiental. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

27. SIMA. Sindicato das Indústrias de Móveis de Arapongas. Programas e projetos. Disponível em: . Acesso em: 06 nov. 2016.

28. TEECE, D. J. Alfred Chandler and ‘capabilities’ theories of strategy and management,
Industrial and Corporate Change, London, v. 19, n. 2, p. 297, apr. 2010. Disponível em: . Acesso em: 03 fev. 2018.

29. VILLAS-BOAS NETO, A.; STEFANI, M.; PEZZI JUNIOR, S. Gestão de marketing para organizações do terceiro setor: público, privado, terceiro setor. Londrina: Midiograf, 2003.

30. YIN, R.K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.
Publicado
2020-05-08
Como Citar
Alves da Silva, E., Ribeiro Martins, P. C., Menéndez Llerena, D., Smék Batista, R. C., & Húngaro Lemes Gonçalves, F. (2020). Inovação, desenvolvimento sustentável e responsabilidade social:: um estudo de caso sobre reciclagem de resíduos de madeira. Revista Vianna Sapiens, 11(1), 28. https://doi.org/10.31994/rvs.v11i1.629