Antifragilidade Democrática:

uma análise sobre a marcha democrática contemporânea e o ciclo comportamental popular nas democracias atuais

  • Gabriel Luiz de Mendonça Augusto Faculdade de Direito do Sul de Minas
  • Rafael Alem Mello Ferreira
Palavras-chave: Democracia, Antifragilidade, Estado, Eleitorado

Resumo

O termo antifragilidade, criado pelo filósofo libanês Nassim Nicholas Taleb, e empregado na construção de cenários econômicos, também pode ser utilizado para uma melhor compreensão da marcha democrática contemporânea, marcada por crise na representatividade política, em especial na democracia brasileira e na norte-americana, que relevaram através dos resultados das últimas eleições uma preferência popular por candidatos nada convencionais, senão exóticos, e que após eleitos parecem não sustentar a predileção do seu eleitorado em razão das suas características pessoais que muito dizem respeito a forma pela qual conduzem suas políticas e governos. A antifragilidade seria então a característica oposta á fragilidade, ou melhor dizendo, seria uma fragilidade reversa, algo ainda sim diferente dos conceitos já conhecidos de resiliência, resistência, solidez, inquebrável e robustez, pois estes últimos teriam a capacidade de resistir a choques e ao tempo, permanecendo inalterados em sua composição, enquanto o conceito de antifragilidade quer nos dizer mais, referindo-se então a ideia de algo que não apenas suporta o choque, mas de algo que se beneficia da crise e de cenários caóticos para se tornar melhor, ou seja, se fortalece na adversidade. Assim, o presente artigo busca construir o entendimento através da reflexão de que o conceito de antifragilidade seria perfeitamente adequado para justificar, ou ao menos ajudar a melhor compreender o fenômeno democrático contemporâneo marcado por uma de crise de representatividade política, visto que não se vislumbra mais a relação de confiança e fidelidade entre os eleitores e os partidos políticos, o que é evidente pela maneira diferenciada pela qual o eleitorado tem se comportado em cada eleição, inclusive com o aumento de eleitores que não se identificam com partido algum.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BOBBIO, Norberto. Quais as alternativas para a democracia representativa. In O marxismo e o Estado. (pp. 33-54). Rio de janeiro: Graal,1979.

________. O futuro da democracia; um desafio das regras do jogo. 5ª. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

________. Estado governo sociedade; para uma teoria geral da política. 2ª ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GARCIA PELAYO, Manuel. As transformações do Estado contemporâneo. Tradução e prefacio de Agassis Almeida Filho. Rio de Janeiro: Forense, 2009.

MANIN, Bernard. As Metamorfoses do Governo Representativo. Revista Brasileira de Ciências Sociais, nº 29, pp. 5-34, 1995. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4418905/mod_resource/content/1/Manin%20-%20Metamorfoses%20do%20governo%20representativo%20%28artigo%29.pdf

_________. The Principles of Representative Government. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

MOUNK, Yascha. O povo contra a democracia: por que nossa liberdade corre perigo e como salvá-la. Yascha Mounk; tradução Cássio de Arantes Leite, Débora Landsberg. 1. ed. São Paulo, 2019.

SUNSTEIN, Cass. R. O mundo segundo Star Wars. Cass R. Sunstein; tradução de Ricardo Dominelli. 1ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2016.

TALEB, Nassim. Antifrágil; tradução Eduardo Rieche. 1. ed. - Rio de Janeiro: Best Business, 2015.

ZIZECK, Slavoj. O ano em que sonhamos perigosamente. Slavoj Zizek; tradução Rogério Bettoni. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2012.
Publicado
2020-08-29
Como Citar
Luiz de Mendonça Augusto, G., & Alem Mello Ferreira, R. (2020). Antifragilidade Democrática:: uma análise sobre a marcha democrática contemporânea e o ciclo comportamental popular nas democracias atuais. Revista Vianna Sapiens, 11(2), 23. https://doi.org/10.31994/rvs.v11i2.671