Um estudo comparativo sobre a abordagem da satisfação no trabalho entre três escalas de medidas comportamentais

Palavras-chave: satisfação no trabalho, escalas, motivação

Resumo

Uma vez que escalas psicométricas podem ser aplicadas para orientar políticas e práticas de gestão de pessoas, inclusive para se avaliar como se apresenta a satisfação no trabalho, de maneira geral, em uma determinada organização, este estudo consistiu em uma análise de como são estruturadas três escalas aplicadas no contexto brasileiro. Partiu-se do objetivo de comparar a abordagem do tema satisfação ao se analisar e delimitar convergências e complementaridades entre a Escala de Satisfação no Trabalho (EST), Escala de Satisfação no Trabalho do Occupational Stress Indicator (EST-OSI) e o Questionário de Satisfação no Trabalho S20/23. Desenvolvida, assim, uma pesquisa documental (visto que as análises se concentraram em como essas escalas são apresentadas para serem aplicadas), foi relevante considerar contribuições de pesquisas básicas, com ênfase sobre a projeção de teorias que possam ser apropriadas para a criação de instrumentos plausíveis de serem empregados no desenvolvimento de pesquisas aplicadas. Constata-se, nesta pesquisa, a criação dos itens das escalas analisadas com embasamento nas proposições de Frederick Herzberg, Victor Vroom e Edwin Locke. Cada um desses teóricos enfatiza aspectos específicos que possam servir de compreensão para se caracterizar e definir a satisfação no trabalho, ainda que existam diferentes maneiras de conceituar este tema. Consolidadas as análises de como as três escalas são compostas, foi possível observar semelhanças sobre como abordam fatores que influenciam a satisfação, viabilizando sugestões para futuras pesquisas concentradas na criação de um novo instrumento que unifique os itens projetados em cada uma das escalas abordadas neste estudo.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abbad, G. S. (2008). Prefácio In: Siqueira, M. M. M. (org). Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed. pp.13-16.

Andrade, D. C. T. (2020) Engajamento no Trabalho no Serviço Público: Um Modelo Multicultural. Revista de Administração Contemporânea, Maringá, 24(1), pp. 49-76.

Brandão, I. F.; Lima, L.C.; Cabral, A.C.A.; Santos, S. M.; Pessoa, M. N. M. (2014). Satisfação no serviço público: um estudo na superintendência regional do trabalho e emprego no Ceará. REAd - Revista Eletrônica de Administração, 20(1), pp.90-113.

Carlotto, M. S.; Câmara, S. G. (2008). Propriedades psicométricas do Questionário de Satisfação no Trabalho. Psico-USF, 13(2), p.203-210.

Correa, R.; Camelo, S. H. H.; Leal, L. A. (2017). Satisfação no trabalho dos bancários e seus fatores determinantes – uma revisão integrativa. E&G Economia e Gestão, 17(47).

Gil, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2017.

Gondim, S. M. G.; Silva, N. Motivação no trabalho. In: Zanelli, J. C.; Borges-Andrade, J. E.; Bastos, A. V. B. (2004). Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, p.145-176.

Gradim, M. N., Silva, N.G., Brauer, M.; Braun, F. (2018) Satisfação no trabalho: uma análise dos servidores técnicos administrativos da faculdade de administração e finanças da UERJ. Revista Viannna Sapiens, 9(1), pp.137-158.

Lerner, R. M.; Fisher, C. B.; Weinberg, R. A. (2000). Applying developmental science in the 21st century: International scholarship for our times. International Journal of Behavioral Development, 24(1), pp.24–29.

Marqueze, E.C.; Moreno, C.R.C. (2009). Satisfação no trabalho e capacidade para o trabalho entre docentes universitários. Psicologia em estudo, Maringá, 14(1), pp.75-82.

Martinez, M. C. (2002). As relações entre a satisfação com aspectos psicossociais e a saúde do trabalhador. Dissertação de mestrado. Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Martinez, M. C.; Paraguay, A. I. B. B. (2013) Satisfação e saúde no trabalho – aspectos conceituais e metodológicos. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 6, pp. 59-78.

Meliá, J. L.; Peiró, J. M. (1989). La medida de la satisfacción laboral en contextos organizacionales: el Cuestionario de Satisfacción S20/23. Psicologemas, 3 (5), 59-74.

Pedroso, B.; Kovaleski, A.; Ferreira, C. L.; Pilatti, L. A.; Gutierrez, G. L.; Picinin, C. T. (2014). Desenvolvimento e validação da versão brasileira do Diagnóstico do Trabalho (Job Diagnostic Survey) de Hackman e Oldham. Gestão & Produção, 21(2), pp.285-301.

Rangel, G.P., Ribas Junior, R.; Souza, M.A. (2018). Estado da Arte das Medidas em Satisfação no Trabalho: Uma Revisão Sistemática. Trends Psychology, Ribeirão Preto, 26(2), pp.971-986.

Rueda, F.J.M.; Baptista, M.N.; Souza, M.S.; Degenhardt, I.; Nicoletti, I.G. (2010). Escala de Suporte Laboral (ESUL) e Escala de Satisfação no Trabalho: evidências de validade. Avaliação Psicológica, 9(3), pp.479-488.

Schwebel, D. C.; Plumert, J. M.; Pick, H. L. (2000). Integrating Basic and Applied Developmental Research: A New Model for the Twenty-First Century. Child Development, 71(1), pp.222-230.

Shonkoff, J. P.; Bales, S. N. (2011). Science Does Not Speak for Itself: Translating Child Development Research for the Public and Its Policymakers. Child Development, 82(1), pp.17–32.

Siqueira, M. M. M. (2008). Satisfação no trabalho. In: Siqueira, M.M.M. (e cols). Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed, pp.265-274.

Siqueira, V.T.A.; Kurcgant, P. (2012). Satisfação no trabalho: indicador de qualidade no gerenciamento de recursos humanos em enfermagem. Revista da escola de enfermagem da USP, São Paulo, 46(1), pp.151-157.

Siqueira, M. M. M. (2014) Apresentação. Em: Siqueira, M. M. M. (org). Novas Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed, pp.13-16.

Swan J. A.; Moraes, L. F. R.; Cooper, C. L. (1993). Developing the occupational stress indicator (OSI) for use in Brazil: a report on the reliability and validity of the translated OSI. Stress Medicine, 9, pp.247-253.

Pasquali, L. (org.) (2001). Técnicas de Exame Psicológico – TEP: manual. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Pasquali, L. (2009). Psicometria: Teoria dos testes na Psicologia e na Educação. Petrópolis: Vozes.

Swan, J. A.; Moraes, L. F. R.; Cooper, C. L. (1993). Developing the occupational stress indicator (OSI) for use in Brazil: A report on the reliability and validity of the translated OSI. Stress Medicine, 9, pp.247-253.

Vergara, S. C. (2012). Métodos de coleta de dados no campo. São Paulo: Atlas.

Zanelli, J. C. (2002). O psicólogo nas organizações de trabalho. Porto Alegre: Artmed.
Publicado
2020-08-29
Como Citar
Azevedo Alvim Assis, F., & Santos Fabre, C. (2020). Um estudo comparativo sobre a abordagem da satisfação no trabalho entre três escalas de medidas comportamentais. Revista Vianna Sapiens, 11(2), 31. https://doi.org/10.31994/rvs.v11i2.700