A POSSIBILIDADE DO PEDIDO DE DIVÓRCIO INAUDITA ALTERA PARTE

OS PRINCÍPIOS PROCESSUAIS VERSUS A AUTONOMIA DA VONTADE

Palavras-chave: DIVÓRCIO, ANTECIPAÇÃO DE TUTELA, INAUDITA ALTERA PARTE, FELICIDADE, AUTONOMIA DA VONTADE

Resumo

Este estudo objetiva analisar a possibilidade da concessão do divórcio em caráter liminar inaudita altera parte, tanto em relação a uma análise doutrinária e dogmática quanto à análise dos casos citados, especialmente os primeiros ocorridos no Brasil e na cidade de Juiz de Fora, Minas Gerais. Assim, pretende-se mostrar, a princípio, que apesar da nova possibilidade judicial resultante das diversas necessidades da sociedade e da vida conjugal que está por terminar, há de ser observar os limites pelos quais se fundam o pedido e os princípios processuais da ampla defesa e do contraditório, oriundos do devido processo legal, que não deve ser violado.  Deste modo, conclui-se que caberá aos juízes e intérpretes do direito, perante a análise do caso concreto, entender as circunstâncias que ensejam o pedido e o cabimento do mesmo, visando facilitar o procedimento do divórcio pela vontade das partes em adiantar a felicidade que tanto se busca com o pedido judicial.

Biografia do Autor

LOREN DUTRA FRANCO, Instituto Vianna Júniro

Mestre em Direito e Políticas Públicas pelo UniCeub, Brasília- DF, pós-graduada em Direito Processual Civil pela Unifenas – MG, graduada em Direito pelas Faculdades Integradas Vianna Jr., professora de Direito Civil parte geral, obrigações e contratos pelas Faculdades Integradas Vianna Jr. Juiz de Fora-MG e pesquisadora do grupo de pesquisa Direito e Desenvolvimento sustentável do UniCEUB- Brasília- DF. Instituição Faculdades Integradas Vianna Jr.

Referências

REFERÊNCIAS

ACQUAVIVA, Marcus Cláudio. Dicionário Jurídico. 6. ed. São Paulo: Rideel, 2013.
ALMEIDA, Rosalino dos Santos. Ementa: Divórcio Litigioso. Direto. Tribunal de Justiça da Bahia, 2017. Disponível em: . Acesso em 03 de setembro de 2017
AZEVEDO, Antônio Junqueira de. Negócio Jurídico: existência, validade e eficácia. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2002.
BARROSO, Luís Roberto. Curso de Direito Constitucional Contemporâneo: Os conceitos fundamentais e a construção do novo modelo. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.
BUENO, Cássio Scarpinella. Manual de Direito Processual Civil. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.
BUENO, Francisco da Silveira. Mini Dicionário da Língua Portuguesa. 10. ed. São Paulo, FTD, 2000.
BRASIL. Código Civil. In: VadeMecum Saraiva. 20. ed. São Paulo: Saraiva, 2015.
BRASIL. Código de Processo Civil. In:VadeMecum Saraiva. 20 ed. São Paulo: Saraiva, 2015.
BRASIL, Constituição Federal. In: VadeMecum Saraiva. 20 ed. São Paulo: Saraiva, 2015.
BRASIL, Supremo Tribunal Federal. Acórdão no Recurso Extraordinário n° 898060/SC. Relator: FUX, Luiz. Publicado no DJ de 24-08-2017. Disponível em: .
BRASIL, Supremo Tribunal Federal. Acórdão no Recurso Extraordinário n° 477554/MG. Relator: MELLO, Celso. Publicado no DJ de 26-08-2011. Disponível em: .
CARDUA, Angelita. Eudaimonia. Outubro, 2008. Disponível em: . Acesso em 30 de setembro de 2017.
DIAS, Maria Berenice. Manual de Direito das Famílias. 11. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016.
FARIAS, Cristiano Chaves de; ROSENVALD, Nelson. Curso de Direito Civil: famílias, v.6, 6. ed. Salvador: JusPodivm, 2014.
FERNANDES, Bernardo Gonçalves. Curso de Direito Constitucional. 5. ed. Salvador: JusPodivm, 2013.
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. 3. ed. Curitiba: Positivo, 2004
FERRER CORREIA, António de Arruda. Erro e Interpretação da Teoria do Negócio Jurídico. 4. ed. Coimbra: Almedina, 2001.
GAGLIANO, Pablo Stolze; FILHO, Rodolfo Pamplona. O Novo Divórcio. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2015.
GOMES, Nelci. Juiz Concede Primeiro Divórcio por Liminar na Bahia. Salvador, TJBA, 2014. Disponível em: . Acesso em 03 de setembro de 2017.
GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro: contratos e atos unilaterais, v.3, 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2011.
MAGALHÃES. Ana Alvarenga Moreira. O Erro no Negócio Jurídico: autonomia da vontade, boa-fé objetiva e teoria da confiança. 12. Ed. São Paulo: Atlas, 2011.
MAZOCOLI, Marcelo Santos. Pedido de Antecipação de Tutela Recursal em Agravo de Instrumento n°1.0145.11.029255-7/001.Tribunal de Justiça de Minas Gerais, 2012.
NERY JÚNIOR, Nelson; ANDRADE NERY, Rosa Maria de. Código de Processo Civil Comentado e Legislação Extravagante. 7. ed. São Paulo: RT, 2003.
PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de Direito Civil: direito de família, v.5, 14. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2004.
RODRIGUES, Marcelo. Ementa: Agravo de Instrumento. Ação de divórcio litigioso...Tribunal de Justiça de Minas Gerais, 2017. Disponível em: . Acesso em 03 de setembro de 2017
RODRIGUES, Sílvio. Direito Civil: direito de família. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2004.
SARTORATO. Marcus Túlio. Ementa: Família. Ação de divórcio...Tribunal de Justiça de Santa Catarina, 2017. Disponível em: . Disponível em: 08 de julho, 2017.
SILVA, Clarice Claudino. Ementa: Ação de Divórcio...Tribunal de Justiça do Mato Grosso, 2017. Disponível em: . Acesso: 08 de agosto, 2017.
SILVA, Tiago. Juiz da Bahia concede divórcio por liminar antes de ouvir uma das partes. Salvador: Assim Passei, 2017. Disponível em: . Acesso em 03 de setembro de 2017.
TARTUCE, Flávio. Direito Civil: teoria geral dos contratos e contratos em espécie, v.3, 9. ed. São Paulo: Método, 2014.
VENOSA, Silvio de Salvo. Direito Civil: direito de família. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2003.
Publicado
2018-08-13
Como Citar
FELIPE, L., & FRANCO, L. (2018). A POSSIBILIDADE DO PEDIDO DE DIVÓRCIO INAUDITA ALTERA PARTE. Revista Vianna Sapiens, 9(1), 23. https://doi.org/10.31994/rvs.v9i1.337